Arquivo para dezembro, 2008

Depois de apanhar dos garotos maiores na escola, um dia você aprende a lição e passa a não ser o que era antes. Aquela personalidade que tinha morreu com as porradas das pessoas que não sabiam apreciá-la e isto, meu caro, é algo tão comum quanto um tiro à queima-roupa.

É isto então: eu não sei mais fazer ligações bonitinhas, não sei criar cartas especiais como antes e não sei chamar a atenção de alguém, mas tenho esse desejo de caminhar como antes pelos corredores sem um ataque inimigo. Eu não olho para os dois lados da rua como fazia antes e sei que logo em seguida um carro desenfreado tomará conta disto, como quem toma a lição de casa. Depois disso, a outra parte muda. E quem sabe não me reconheças tão bem como fazia em outrora.

Anúncios

Final de ano é sempre a mesma coisa: renovar os objetivos para o ano vindouro, presentear pessoas queridas, usar as nossas melhores roupas e fazer uma reflexão sobre o ano que está acabando. Há quem está de saco cheio de especiais do Roberto Carlos e shows da virada, sem contar nos inúmeros filmes sobre natal e ano novo.

Ainda existe criatividade nas datas comemorativas? Pois 2009 vai começar e o carnaval continuará o mesmo. É um ciclo miserável de coisas que poderiam morrer com o ano que passou, mas sempre vai existir algum chato que vai lembrar de alguma novela antiga com aquele ator bonitão e vai pensar “nossa, como ele está velho” e vai perceber também que o tempo passou e não viu nada excitante nas tuas passagens de ano.

Ter alguma atitude na hora que esta cena começar é necessário, é emergente. Fique ciente que o ano vai recomeçar, mas que não terá a essência do novo. As pessoas e as coisas estarão no mesmo lugar de sempre, pois é assim que você vê a sua vida. Lembre-se que da mesma maneira que algo termina, recomeça outro. E você pode usar isto como desculpa para somar a sabedoria e arriscar-se sem medo, quando sentir que algo pode mudar a sua vida por completo.

Não grite

Para a moça que senta ao lado de minha mesa todos os dias.

Não é sensato culpar o tempo devido a falta de expectativas. Se a tua mensagem não é bem recebida, vigie o tom e a pausa na hora de falar. Uma conversa bem concretizada é bem vista, elegante e o ouvinte consegue entrar na sua história imaginando todas as cenas que você transmitir. A primeira conversa é, sem dúvida, a que fica. Mostrando quem você é, evitará possíveis desentendimentos e quem sabe acontecer alguma aproximação mais calorosa. Diga toda das letras, gesticule e chame a atenção. Mas cuidado para não ser o centro do mundo, afinal, você não é o último e nem o primeiro a iniciar uma conversa no planeta.

Sem resposta

Porque depois de tanto tempo sem sinais de vitória, declaro-me enjoado dessa grande luta que é o coração. Isto não é um dou-me vencido, pois quando você entorta o caminho que tem, precisa depois desvincular-se do malefício do passado. Dou-me por encerrado à busca de ideologias, acredito que neste espaço tenho só a admirar. Revivo situações opressoras que não se concluem, mas que a sabedoria não me falha e torna-me capaz de escolher o outro lado da rua para contornar a situação com canetinhas coloridas.

“Quem iria saber que um garoto dotado de sensibilidade mágica, iria se aproximar de um garoto como eu que o acaricia e repousa em teu peito?” (+)

Há uma teoria que explica a importância que damos à alguma coisa. Dizem que quando queremos algo, agarre-o firme até o final da luta. Ao contrário, quando você não tem apreço, a mesma desaparece fazendo jus à importância que você deu. Seguindo esta tese, algo escapou de minhas mãos. Não sei por qual dos motivos, mas sinto-me tão nulo, tão incrédulo, tão mínimo.

Os parágrafos distorcem-se naquela intenção conhecida de pedir para que me devolvam o que é meu.

Esse é o ponto que deve ser alcançado.