Arquivo de fevereiro, 2009

Como um bom homem de marte, ele só prestava atenção nos negócios e na vida profissional que levou anos para construir. Assim como sua personalidade que mais parece uma transparência em uma máquina retroprojetora, quase nula, quase imperceptível. Conheceu o amor na rede em uma sala de bate papos, é a partir desse ponto que a história começa.
Casaram-se, porém os filhos nunca vieram. Talvez seja a concentração, devemos nos exercitar com mais afinco na hora do sexo ou então, quem sabe, é culpa da lua. Não, nada disso, nenhuma das alternativas funcionaram. Transtornado com o insucesso, decidiu pedir o divórcio e sublinhou: Eu não sou feliz, você jamais me dará o que eu quero. E a vida seguiu como tinha que ser.
Dois anos depois casou-se novamente. Veja só que insatisfação, no primeiro mês de núpcias, descobre que sua esposa o trai com seu melhor amigo. Dessa vez não hesitou e largou a mulher.
Cansado das relações mal sucedidas decide freqüentar a Asa Norte e começa a beber como se estivesse em uma festa com gente bacana. Abusou de garotas sem proteção, esqueceu da vida durante este tempo e assinou o contrato do malefício com o tempo. Casou-se novamente três anos depois e descobre em uma consulta de rotina que é soropositivo. Perdeu a mulher, perdeu o trabalho e nunca teve um filho. A partir desse ponto, descobre seu rosto na transparência do passado e lamenta pela vida. O homem de marte é, na verdade, qualquer um de nós.

História

Hoje eu te olhei e você não era colorida como antes, havia algo sombrio nas pálpebras de seus olhos e isso transbordou em minha sala de jantar. Agora estou enfrentando uma enchente com suas lágrimas só para ligar a tomada do estou aqui. Enquanto você grita na sala ao lado eu faço maré e faço ondas, faço acrobacias, malabarismo, dança das pernas, sincronizado e borboleta. A maré cresce e você continua sombria, mas eu não ligo, hoje eu tirei o dia para comer fora de casa. Então ensaboa minha louça com tua enchente, pequenina. Os pratos, os talheres, os copos e as formas do bolo que te fiz ontem. Faço tudo para te ter dentro de casa, mas voe quando quiser. Afinal, Ele te deu asas para que voasse o quanto mais alto conseguir. Você pode tomar decisões sozinha e você pode usar o meu enxágüe bucal também, você pode deixar os meus discos fora de ordem e você pode dançar em cima do sofá que é branco. Branco e preto. Preto e branco como você foi um dia. Depois ficou colorida. Hoje te vejo escuro.

alanis morissette