Arquivo de janeiro, 2010

OVERDRIVE.

Estou encantado por você. E olha, você ainda tem um espaço na minha casa, no meu quarto, na minha cama e nos meus braços. Você é a pessoa mais bonita que já conheci em toda a minha vida. É, você.

Listras

After all this time?

Teve um momento na minha vida em que me desliguei durante duas semanas só para pensar em uma única coisa, o engraçado disso é que nunca dura o tempo suficiente para alcançar o outro lado da ponte com essa coisa nos meus braços. “Felicidade é bom, mas não dura para sempre”, já ouviu isso? É isso.

Nesse momento eu quis pular, quis adorar, quis casar-me, quis…

Não há desculpas, de ninguém. O fato é que assusta, felicidade demais é motivo de pânico. Não tive tempo para fazer tudo o que gostaria de fazer, preciso mesmo ser reprovado. E agora estou impotente outra vez.

Quando foi a última vez que você reparou em seu parceiro? Se for namorado ou namorada, a chance é maior disso ter acontecido recentemente. Quem sabe, ainda hoje. Há poucas horas, ou minutos.

E se for casado? Vem cá… Me conte: você notou quando ela mexeu nos cabelos da última vez?

Não tenho a intenção de fazer uma série “por que os relacionamentos morrem”. Mas deixar de ver o parceiro é um outro fator que colabora para o desgaste de um relacionamento. Podem ser coisas simples. Uma blusa nova, um penteado diferente, a cor das unhas, o brinco novo. As mulheres gostam de ser notadas. Tudo que diz respeito à imagem, a aparência delas é importante. E amam quando alguém observa que há algo diferente nelas.

Os homens não se preocupam tanto com isto. É claro que alguns deles também sentem falta de comentários do tipo: “ah… gostei da sua camisa”; “que bonitos os seus sapatos”, ou ainda “o que você fez nos cabelos? Estão mais bonitos!”. Afinal, a vaidade também está na moda entre nós. E, convenhamos, todo mundo gosta de um elogio.

Por natureza, as mulheres são mais observadoras. Ainda esta semana estava pensando sobre isto. Voltei das férias, retornei ao trabalho e uma pequena mudança no meu visual foi notada basicamente pelas garotas. Elas batem os olhos e já sabem o que há de diferente. E o melhor: falam, comentam, elogiam. Em alguns momentos, é o tipo de coisa que a pessoa precisa ouvir, até para se sentir importante.

Para certos homens isto parece “frescura”. Argumentam: “que importância tem a cor do cabelo dela? Por que preciso notar que minha mulher pintou de novo os cabelos? Ou mexeu nas franjas?”. Entretanto, volto a dizer, fazer esse tipo de observação mexe com o ego, valoriza a mulher, revela que cada pequena atitude da parceira tem valor para ele.

Como os homens têm uma visão macro, são racionais demais, não se ligam nos detalhes, essa tarefa parece ser das mais difíceis. Mas dá para aprender. Vale treinar. Ficar atento. Tirar os olhos da tevê, do jornal, desligar-se por alguns segundos dos problemas, do trabalho, das preocupações com o dinheiro e olhar. Olhar para quem está do lado. Reparar na roupa que ela está usando, como começou o dia, como preparou a mesa do café.

Sabe, isto vale não apenas para as relações amorosas, para os casais. Ter um olhar mais atento, ver as pessoas, colegas de trabalho, amigos, gente próxima e até que não é tão íntimo, ajuda a aproximar, abrir caminhos, ganhar a confiança, conquistar. Todos querem ser notados. Quando notados, sentem-se vivos, importantes.

Ronaldo Nezo, Jornalista diplomado e professor universitário em Maringá, Paraná.

Diálogo

A: Você é meu companheiro.
B: Hein?
A: Você é meu companheiro, eu disse.
B: O quê?
A: Eu disse que você é meu companheiro.
B: O que é que você quer dizer com isso?
A: Eu quero dizer que você é meu companheiro, só isso.
B: Tem alguma coisa atrás, eu sinto.
A: Não. Não tem nada. Deixa de ser paranóico.
B: Não é disso que estou falando.
A: Você está falando do quê, então?
B: Estou falando disso que você falou agora.
A: Ah, sei. Que eu sou teu companheiro.
B: Não, não foi assim: que eu sou teu companheiro.
A: Você também sente?
B: O quê?
A: Que você é meu companheiro?
B: Não me confunda. Tem alguma coisa atrás, eu sei.
A: Atrás do companheiro?
B: É.
A: Não.
B: Você não sente?
A: Que você é meu companheiro? Sinto, sim. Claro que eu sinto. E você, não?
B: Não. Não é isso. Não é assim.
A: Você não quer que seja isso assim?
B: Não é que eu não queira: é que não é.
A: Não me confunda, por favor, não me confunda. No começo era claro.
B: Agora não?
A: Agora sim. Você quer?
B: O quê?
A: Ser meu companheiro.
B: Ser teu companheiro?
A: É.
B: Companheiro?
A: Sim.
B: Eu não sei. Por favor não me confunda. No começo era claro. Tem alguma coisa atrás, você não vê?
A: Eu vejo. Eu quero.
B: O quê?
A: Que você seja meu companheiro.
B: Hein?
A: Eu quero que você seja meu companheiro, eu disse.
B: O quê?
A: Eu disse que eu quero que você seja meu companheiro.
B: Você disse?
A: Eu disse?
B: Não, não foi assim: eu disse.
A: O quê?
B: Você é meu companheiro.
A: Hein?
(ad infinitum)

(In Morangos Mofados)

Vermelho original


Tem dias que um maço não dá conta.

Foto histórica

Eu posso dar o maior passo da minha vida inteira, a vida é feita de escolhas, não é mesmo? Uma vez ouvi alguém dizer que se a gente não mudar, o mundo muda com a gente e isso nunca fez tanto sentido como agora. Estou com aquele gostinho de mudar de lugar, mudar os hábitos, mudar os relacionamentos, mudar a direção e largar de vez essa vida sem emoção que estou tendo. O negócio é assim: não aguento ficar mais que dez minutos debaixo d’água. A água não é o meu lugar e todo dia de manhã mergulho a minha cabeça à procura de alguma coisa.

Lovely head

É assim que me apresento todos os dias para você.