Arquivo de dezembro, 2011

Conversas estelares

Foi assim: peguei um copo, sentei na mesa e comecei a pensar nas coisas que me fazem ter lembranças de um tempo atrás. Coisas que eu não estava acostumado a pensar sempre, coisas que eu não me acostumaria tão facilmente. Foi aí que me dei conta que eu tento ser tão imparcial ao ponto de não saber definir o que é bom e o que é necessário pra mim. Faz muito tempo que não tenho notícias de ninguém, nem suas. É, você. Uns dias atrás achei uma foto antiga e não quis relembrar o motivo que a fez se distanciar de mim, por mais que esteja óbvio e por mais que eu não queira, essa história permeia toda vez que alguém diz o teu nome. Sinto-me em uma música de Alanis Morissette, na qual ela hesita em falar o nome do ex-namorado por achar que não foi boa o bastante para ele. Nosso caso não existiu amor, você nunca foi minha namorada e nós nunca tivemos caso algum – mas me pergunto se a nossa relação foi verdadeiramente boa o bastante para te chamar de amiga. 
E hoje, onde estão nossas conversas, admirações, cigarros, histórias…? Ainda sentado sob a mesa pós café da manhã, penso em lealdade acima de tudo. Não posso cobrar algo que as pessoas não querem expôr, não posso pedir coisas que não estão no alcance do próximo e eu pensei, por algum momento, que estava perdido em uma história que eu mesmo criei. Se a culpa não foi sua, porque se defender de algo que não chega aos seus pés? Tudo isso só me leva a crer que não és a garota que aparentava ser.

Um beijo, D.

Tapa-olho

Faz menos de uma semana que estou trabalhando e isso é algo realmente bom. Digo assim porque eu não aguentava mais procurar e esperar uma resposta – assim como quando a gente senta e espera o bonde passar. Por outro lado estou gostando dessa nova fase que a minha vida está levando, espero do fundo do coração que eu ganhe com isso dessa vez. Espero que as oportunidades não apareçam trazendo as boas novas com um contra de brinde. Não posso enxergar apenas um dos lados.

Shit happens

Tem dias que a gente só quer desaparecer, não é?

Obs.: Consegui um novo trabalho! Esta é a única coisa boa do momento…