Arquivo da categoria: Divagações

Pra quem mesmo?

Oi, tudo bem? Pois é, faz algum tempo desde que me lembro que gostava de escrever. Dias atrás eu revivi um momento especial e senti uma enorme vontade de expressar aquela emoção em palavras. Não demorou muito para o súbito da realidade bater na cabeça como um golpe de taco de baseball: eu escrevo para quem mesmo?

Deve ser coisa do meu signo, dessas teorias que as pessoas inventaram para deixar as dores menos amargas. Buscar algum tipo de aprovação nessa altura do campeonato já não é uma atitude tão sábia – e se toda a minha adolescência foi em prol dessa busca? Acho que ainda tenho 20 anos.

Anúncios

It’s all been said

I don’t wanna waste more time all alone
Want somewhere to go
Something to call my own
And I ain’t satisfied
When you go
Outside of the road, washed up on the shore

Conversamos durante duas horas, foi exatamente esse tempo que levou para compartilharmos os gostos, o bom humor e as experiências de vida. Bastou um milésimo de segundo para ter a plena certeza de que queria tocá-lo. Bastava-me esticar um braço para atingir a ponta daquele queixo barbado. A docilidade daquele gesto me possuía de modo que eu esquecesse quem eu era.

O beijo começou.

Quanto tempo dura? Faz silêncio, despenca uma estrela. Defino-me na tua boca como quem encontra o paraíso e sorri com dentes amarelados. A imensidão da sua voz agora é parte da minha saliva. Demorou um minuto, trinta e sete segundos e um dia inteiro para compreender de que aquilo era o máximo que eu teria de você. Se eu pudesse rebobinar o passado, eu desejaria estar tocando o seu queixo outra vez.

eternal sunshine

Diversas tempestades e santos

etyrtyrt

Sabe aquela sensação de estar fazendo alguma coisa errada e não ter a capacidade para enxergar? É exatamente assim como me sinto nos últimos dias. No lugar de uma boa saúde, uma tosse seca que poderia se transformar em uma tuberculose ou então a dor de cabeça que não cessa e poderia ser indícios de um tumor.

Um tanto pessimista achar que as coisas ruins acontecem facilmente com a gente, é por isso que remedio uma situação antes mesmo da probabilidade acontecer.

Basta cortar o mal pela raíz e não será obrigado a conviver com as dores e angústias do relapso presente. Estar vivo é olhar dentro e fora da caixa.

Pequeno fragmento de mim mesmo [ou o que desejava ser]

Desde criança a educação que eu tive dos meus pais foram totalmente contrárias às regras de uma boa conduta. Não que eles sejam pais ruins – minha mãe terminou o colegial e meu pai estudou até a quinta série e nem por isso éramos tratamos à chineladas.

Uma das coisas que eu não aprendi com a minha mãe foi a ter paciência para as coisas da vida. Sempre fui um menino afobado, daqueles que não dormiam enquanto concretizasse alguma coisa. Minha mãe é exatamente o espelho do que eu era na infância. Meu pai me ensinou a palavra “viado” depois que eu fugi dos padrões de um menino normal – em 1998. Foi aí que vieram as meninas, o elástico, a amarelinha, as bonecas, os pirulitos, o amiguinho que me ensinou que no pipi faz cosquinha…

Quem é você? Como descrever você nesse exato momento? Tenho a sensação de que você muda para melhor a cada esquina, muda para o bem, muda para melhor. Tem coisas que não dá para explicar, por exemplo neste momento em que vivemos. É mágico, é muito bonito. Acho que você tem um dom, é isso que você precisa fazer.