Archive for the ‘Novidades’ Category

meandyou

Eu nunca disse o quanto eu gosto de você da maneira que sempre quis. Parece que tudo é pouco perto do que você significa pra mim. É dessa forma que eu busco maneiras de impressionar você.

Só nós dois sabemos o que passamos para chegar até aqui, só nós dois sabemos o quanto foi bom e difícil alcançar os nossos objetivos juntos. Temos muitos outros pela frente, mas o importante é que sempre nos mantemos firmes nos nossos ideais. É por isso que eu quero ficar do seu lado. Eu tenho um ideal que você também tem e é com isso que fortalecemos a cada obstáculo (mesmo que seja pequeno).

O que eu quero dizer de verdade é que o meu ideal é proteger o amor que tenho com todas as minhas forças e dá-lo para você – porque é você que eu escolhi, é você que quero.

Monólogos estelares

Foi assim:

Estava quente, lembro-me bem. As luzes naquele bar oscilavam e dificultava a leitura do livro que trouxera na mochila. Era uma noite quente, o barulho da avenida não incomodava tanto quanto o som que vinha daquele lugar. Sentado na última mesa próximo à janela, avistei uma moça que tinha nas mãos um copo de qualquer coisa. Tinha dedos pequenos, apertava o copo com tanta determinação para não deixar a bebida cair ao chão, mas também tinha um aspecto de menina – talvez 15 ou até 17 anos.

Parei a leitura. Nesse momento já não me importava com o barulho e dediquei minha noite para cobiçar a pequena notável. Ela pegou um maço de cigarros da sua jaqueta e levou um deles à boca, riscou calmamente o pavio em direção à ponta do mesmo queimando e fazendo fumaça em sua volta. O aspecto da pequena não era mais inocente e não daria mais 17 anos para aquele espetáculo exuberante, cresceu em poucos minutos e formou-se mulher como nunca tinha visto antes.

O engraçado desta situação é que não tive pudor algum, continuava olhando insistentemente até que a moça reparou e começou a flertar em retribuição. Fiquei vermelho, depois mudou para roxo e terminou amarelo.

A situação ficou assim por vinte minutos e como homem, precisava pensar em algo para cortejá-la. Olhei para mesa onde estava e não consegui enxergar nada tão especial quanto aqueles olhos tímidos, mas foi em vão, ela vinha em minha direção. Andou calmamente e parou em uma das mesas no caminho – assim como um ônibus que para nos pontos específicos para acolher passageiros – apertou o restante do cigarro em um pote decorado com a estampa do estabelecimento e continuou andando em minha direção, mas em momento algum me olhou. Ela está vindo para cá? Está.

– Oi – disse ela.
Olhei para o livro, olhei para ela e me fiz de ocupado:
– Ah… hm, olá.
– Posso me sentar?
– Claro, há três lugares vagos aqui… hm. Só escolher o que mais agrada.
– Obrigada.
– Tudo bem.

Abri o livro, mas conhecia aquela página. Pular a página seria um erro, transparecia minha energia. Parei aqui, onde as pessoas ficaram reprimidas devido à cegueira.

– O que está lendo?
– Eu? Ah. É, Saramago.
– Oh, eu adoro Saramago e acredito na sua opinião sobre a religião e o modo como expõe suas críticas sobre a mesma. São deliciosos os ensaios.
– Também gosto, são ótimos.

A menina-mulher puxou outro cigarro da jaqueta e ao riscar o palito perguntou se poderia, balancei a cabeça em tom de afirmação. Relaxou mais, não transparecia nervosismo algum por estar sentada na mesa com um desconhecido.

– Qual é o seu nome? – Indagou – Pessoas como você são misteriosas, escrevem bem, mas não são bons de cama.
– Pessoas como eu? Como pode ter tanta certeza assim?
– Está sozinho em um sábado a noite lendo Saramago em um bar da avenida. Estou supondo somente.
– Tudo bem.

O silêncio continuou em seguida e parecia ser monstruoso a cada minuto. Ela não, estava ótima e parecia super acostumada com aquelas situações. Pegou uma de minhas canetas sobre a mesa e riscou um guardanapo de papel. O tormento da música alta tirou sua concentração porque seu cantor preferido começou a tocar uma de suas músicas, talvez a preferida dela.

A canção falava sobre alguma menina, talvez ela mesma, misturava dor e amor ao mesmo tempo. Era mais alta por dentro, balançava a cabeça e me olhava esperando que eu vá convidá-la para girar em seus braços. Oh não, sou torto e… oh não, eu não sei destas coisas. Um dia, talvez, ah um dia! Quem sabe o tempo me faça dançarino, você aceita com o tempo? Sim.

“Ela desatinou, viu morrer alegrias, rasgar fantasias
Os dias sem sol raiando e ela ainda está sambando”.

Comecei a admirar sem motivos esta estranha – que fabulosa pupila! Continuou balançando na cadeira freneticamente, mas os cabelos curtos e bem pretos balançavam pouco. Parecia uma criança correndo em jardins floridos desconhecidos. Depois do cigarro, pegou um chiclete e levou à boca.

– Adoro Chico! Desculpe, eu sou tantas emoções.

Uma informação nova: tantas emoções. Menina, mulher, louca, desconhecida, vulnerável, amante, amada, ativa e tantas emoções – escolha uma, por favor. Concentrou-se no chiclete para tirar todo o gosto do tabaco, ela deve ter um namorado e ele não gosta do teu maço. Mas ela não tinha.

– Uma existência do pensamento é cada mastigar de um chiclete, tantos minutos mascando.
– Eu não gosto de chicletes.
– Depois o lixo. Cinzeiro. Saco plástico.
– Pode ser, mas eu…
– Até encontrar a melhor marca de chicletes.
– Hm, talvez.
– Se é que existe…

Os diálogos eram pausados por um silêncio ensurdecedor. Só ela falava, eu contemplava. Jogava a informação para o alto e eu a respirava. Era um jogo de beisebol onde ela lançava a bola branca cheia de surpresas e eu arrebatava para longe expandindo aquele pensamento. Os pontos eram marcados quando ela sorria, vasto sorriso que crescia a cada pequeno olhar. Amor novo, talvez aqueles de escola. Escrevíamos recadinhos apaixonados e passava o papel até chegar ao destinatário. Lia e respondia rapidamente, pois conhecia o desespero também. Foi assim.

A louca levantou bruscamente e despediu-se. Por quê? É tarde. Por quê? É tarde. Eu aceito o seu chiclete. É tarde, meu pequeno escritor. Olha… mas. Deu-me um beijo no rosto e caminhou até a porta de saída sem olhar para trás. Pequena e adorável. Pequena e notável. Pequena e… Ela esqueceu sua anotação na mesa, esqueceu o guardanapo que rabiscara. Poderia ser importante, não sei. As emoções foram tantas, mas como classificá-la agora? No papel havia palavras rascunhadas com pequenas letras, assim como a dona, linda e bela:

Monólogo.
Pega um cigarro.
Senta.
Vamos conversar?

Eu me lembro

Oito ou nove gatos pingados no salão
Eu adorei a feijoada
Era presunto enrolado no melão
E foi assim que eu vi que a vida colocou ele pra mim
ali naquela terça-feira de setembro
E foi assim que eu vi que a vida colocou ela pra mim
ali naquela quinta-feira de dezembro
Por isso eu sei de cada luz de cada cor de cor pode me perguntar de cada coisa
Que eu me lembro
Por isso eu sei de cada luz de cada cor de cor pode me perguntar de cada coisa
Que eu me lembro
Ela me achou muito engraçado
Ele falou, falou e eu fingi que ri
A blusa dela tava do lado errado
Ele adorou o jeito que eu me vesti

Para você, meu eu verdadeiro

Dessa vez eu aprendi que o silêncio pode dizer muitas coisas. É nessas conversas que você se encontra cara a cara com seu ‘eu verdadeiro’, como se não bastasse: do jeito que você criou. Parece-me que com os anos nossa imagem ganha peso e lentidão depois dos inúmeros acontecimentos (na maioria trágicos). Foi bem nesse momento que eu conversei comigo mesmo. Falamos de tudo: música, filmes, comportamento, gente que ficou com gente, bicho que pegou gente e bilhetes trocados na hora da aula. Como é de costume, o ‘eu verdadeiro’ falou do silêncio que insistia em nos dizer coisas. Todo mundo falou ao mesmo tempo, ninguém ouviu nada. É assim que meu ‘eu verdadeiro’ enxerga o meu silêncio – “…e ninguém ouviu absolutamente nada”.

Falar e falar. Repetidas vezes. Falar, falar, falar… quantas vezes eu falo sem ser ouvido? Quantas vezes sou ouvido enquanto falo? Por quantas vezes eu falei sem ninguém ouvir nada? Decidi comigo mesmo, o silêncio do meu ‘eu verdadeiro’ é o melhor ouvinte que já tive por toda a minha vida. E olha que à minha volta sobram pessoas.

Eu tenho dessas manias de falar sozinho mesmo, talvez nem seja comigo que estão falando.

Maria Emília

Eu vou sentir muito a sua falta, minha pequena menina.
É aí que todo o meu protesto faz sentido. No começo era só uma pedrinha de nada e que só chacoalhar os sapatos iam-se com o vento, porém esqueci que ao pisar no chão novamente eu poderia pisar em mais pedrinhas – talvez ainda maiores. Existe um quadro branco quando você conhece alguém, uma tela a ser pintada ou rabiscada conforme a sua vontade. É aí… bem nesta parte que o meu desgosto (ou desprezo, como achar melhor) se molda e se transforma em uma belíssima rosa. Linda por cima, superficialmente, e cheia de espinhos na base (as pedrinhas). Eu gosto de pensar que essa tela branca ficará assim até o final, pois intimidade incomoda e abre diversas lacunas psicológicas.
Quando você coloca os pés novamente no chão, sente as pedrinhas e tem vontade de se lançar ao vento, buscando novas telas brancas para pintar.

48 horas

“Quis fazer Weekend de forma honesta. Falar como ser gay e não fazê-lo de forma aceitável. A história tinha que ter um formato que pudesse ser sentida por qualquer pessoa, mas que falasse de problemas desses homens gays. Apesar de uma aceitação maior da sociedade, o peso de ser diferente continua… As mudanças acontecem, mas você ainda não tem que lutar contra um mundo heterossexual”, disse Andrew Haigh em entrevista ao The Guardian.

Ficar sozinho

“Ficar sozinho significa ser você mesmo, por completo. A pessoa pode desenvolver-se livremente, sem ter de submeter-se a coações de estranhos. Ficar sozinho consigo é algo especial, e ser capaz disso, algo mais especial ainda.

Sempre tive inveja das pessoas que conseguem ficar bem sozinhas, porque elas dispõem de reservas internas que lhe garantem independência e liberdade. Muitas pessoas afirmam querer essa liberdade, mas quase todos a temem. Elas a temem mais do que tudo na vida.

Se ficam sozinhas, mesmo que por apenas alguns minutos, procuram com os olhos alguma coisa que possa preencher seu vazio. Temem o silêncio, aquele silêncio em que se está sozinho com os próprios pensamentos, o infinito monólogo interior. Nesses momentos, é preciso que se goste, de fato, da própria companhia.

A vantagem é: a pessoa não precisa violentar-se, nem ajustar-se a ideias estranhas apenas por querer agradar”.

Federico Fellini

Conversas estelares

Foi assim: peguei um copo, sentei na mesa e comecei a pensar nas coisas que me fazem ter lembranças de um tempo atrás. Coisas que eu não estava acostumado a pensar sempre, coisas que eu não me acostumaria tão facilmente. Foi aí que me dei conta que eu tento ser tão imparcial ao ponto de não saber definir o que é bom e o que é necessário pra mim. Faz muito tempo que não tenho notícias de ninguém, nem suas. É, você. Uns dias atrás achei uma foto antiga e não quis relembrar o motivo que a fez se distanciar de mim, por mais que esteja óbvio e por mais que eu não queira, essa história permeia toda vez que alguém diz o teu nome. Sinto-me em uma música de Alanis Morissette, na qual ela hesita em falar o nome do ex-namorado por achar que não foi boa o bastante para ele. Nosso caso não existiu amor, você nunca foi minha namorada e nós nunca tivemos caso algum – mas me pergunto se a nossa relação foi verdadeiramente boa o bastante para te chamar de amiga. 
E hoje, onde estão nossas conversas, admirações, cigarros, histórias…? Ainda sentado sob a mesa pós café da manhã, penso em lealdade acima de tudo. Não posso cobrar algo que as pessoas não querem expôr, não posso pedir coisas que não estão no alcance do próximo e eu pensei, por algum momento, que estava perdido em uma história que eu mesmo criei. Se a culpa não foi sua, porque se defender de algo que não chega aos seus pés? Tudo isso só me leva a crer que não és a garota que aparentava ser.

Um beijo, D.

Tapa-olho

Faz menos de uma semana que estou trabalhando e isso é algo realmente bom. Digo assim porque eu não aguentava mais procurar e esperar uma resposta – assim como quando a gente senta e espera o bonde passar. Por outro lado estou gostando dessa nova fase que a minha vida está levando, espero do fundo do coração que eu ganhe com isso dessa vez. Espero que as oportunidades não apareçam trazendo as boas novas com um contra de brinde. Não posso enxergar apenas um dos lados.